Na volta ao modelo padrão de competições internacionais, nos deparamos com a Intel Extreme Master Katowice. Aquela mesma, perdida para a poderosa Fnatic a exatamente um ano, com a antiga tag Luminosity.

Muita coisa mudou, mas no fundo tudo voltou a ser o que era e a equipe sueca está unida novamente para mais um grande desafio após a apagada participação na Dream Hack Las Vegas.

A premiação não salta aos olhos, mas a oportunidade de seguir vencendo as melhores equipes do planeta é o principal combustível para se manter no topo. Quem dirá para a SK, que após grandes tropeços ainda adapta Felps e projeta a segunda final consecutiva do evento.

Ambos os grupos estão bem divididos e a primeira colocação garante a vaga direto para as semis. Segundos e terceiros farão as quartas de final.

Franco favorito, a equipe da Virtus Pro jogará em casa e com o apoio da torcida tem tudo para embalar. O desempenho satisfatório nos últimos torneios disputados mostra que Counter-Strike não tem idade. A técnica, tranquilidade e sabedoria sem sombra de dúvidas favorece os poloneses.

Do outro lado da tabela, Astralis alcançou o topo mas ainda não convence, uma equipe jovem e instável que pode entregar tudo o que sabe em um jogo e todos os rounds em outro.

A primeira fase em MD1 abre chances para os que vem por fora e a final em MD5 terá um sabor que nenhum outro evento trás.

Os próximos dias serão de atenção nas lives e torcida para os brasileiros em busca de um mesmo objetivo, recuperação da estabilidade e consagração.