Não é de hoje que trato da necessidade de um investimento maciço no mercado de esportes eletrônicos. Pois bem, notícias recentes revelam que a Rede Globo vem se ajeitando para entrar de cabeça neste mundo. A emissora anunciou que Tiago Leifert apresentará um programa nas madrugadas de domingo, chamado Zero 1.

A informação cai como uma luva para players e entusiastas, pois com esta porta aberta, ainda que dependente da aceitação do público, os investimentos aspirem melhora. A tendência é de crescimento e mesmo com a televisão engatinhando nos e-sports, a Globo observou essa lacuna.

Após transmissões pelo SporTV de finais do Dota 2 e alguns jogos de Counter-Strike, a emissora optou por inserir uma programação diferenciada em sua grade. Em horário chave e que muito provavelmente atingirá seu público alvo, a atração visa captar jovens que acompanham o Altas Horas e madrugam noites de sábado para domingo, uma vez que Leifert entrará após Serginho Groisman.

O Zero 1 trará celebridades do meio da internet, bem como informações de campeonatos eletrônicos. A primeira grande parada será sem dúvida as finais da ESL Pro League Season 4, que acontecerão na próxima semana, em São Paulo, no Ginásio do Ibirapuera. O evento é a porta de entrada para o público consolidar o seu fanatismo e mostrar de uma vez por todas o porque do mercado de games ter ultrapassado o de cinema e música, juntos.

São pequenos sinais de melhora, que mostram finalmente a aceitação dos gigantes da mídia brasileira. Muitas adaptações ainda acontecerão pelo caminho, como outras emissoras entrando na jogada e realocando suas programações de horários, talvez com maior frequência. Fato é, que a bola de neve da concorrência engordará o cenário e exigirá a profissionalização total do meio.

Sonho ainda distante, principalmente para os amantes do Counter-Strike, um torneio financiado e transmitido pela emissora. O investimento traria olhares do mundo todo e porque não, uma seletiva sul americana dos grandes campeonatos. A união estreitaria a Rede Globo com o público jovem e convenhamos, o investimento nem é tão arriscado, considerando suas projeções de retorno.

Cabe a Globo, atravessar este período de experimentação do programa, aos jogadores e profissionais, incentivar melhorias para si e para o seu game e ao público, apoiar os e-sports como sempre o fez.