A bolha está inflando e é apenas o começo. Jogadores eletrônicos já alcançam cifras mensais maiores que alguns esportistas olímpicos. Outros tantos, carregados de patrocínios, premiações, vendas de adesivos e até negócios próprios, difundidos do meio, encorporam a renda ainda mais.

A expansão é clara, o mercado de games ainda deve ser taxado de entretenimento, afinal de contas, vídeo-games na vida humana são diversão e passatempo, mas quem se dedica e investe dinheiro sabe, o negócio é muito maior que isso.

Os principais fatores que influenciam nos salários são os patrocínios e a representatividade que a organização tem. No patamar dos gigantes, a variação não é ampla, mas existe. De qualquer forma, uma equipe mediana bem paga e estruturada pode alcançar grandes feitos, a exemplo do que vem fazendo a Optic Gaming.

Times do segundo escalão geralmente contratam equipes iniciantes à intermediárias, cedendo o tempo necessário para preparação e retorno, conforme contrato. Segundo Richard Lewis, host dos maiores torneios de CS:GO, os salários de jogadores neste nível chegam a aproximadamente 5 mil dólares.

Agora, jogadores do primeiro escalão, que sempre chegam fortes nos campeonatos, em busca das finais, tem algo em torno de 10 mil dólares mensais na conta bancária, um bom saldo se for levado em conta o câmbio com a moeda brasileira.

Já os times medalhões, que vão aos torneios com grandes possibilidades de título e investem em mais de uma modalidade de e-sport tendem a gerar mais receita. A venda de acessórios e o fato de atraírem um público maior aos campeonatos também tem peso, logo, firmam melhores contratos. Nestes casos em específico o acordo pode chegar a 17 mil dólares, girando normalmente em torno de 15 mil.

Realmente não é de hoje a forte crescente dos salários. O montante vem ganhando forma na última década, mais ainda pelas premiações milionárias dos últimos tempos. Os pro-players -termo usual no âmbito eletrônico- estão sendo muito bem valorizados, mas não se engane, a situação é boa apenas para a elite, com as maiores equipes do mundo. No cenário secundário e principalmente nacional, o negócio não funciona bem assim.

De qualquer forma, as notícias relevadas sobre os salários de jogadores trazem uma perspectiva interessante para o futuro, mas ainda volátil. Fato é que o CS:GO está no seu auge e muito embora remunere bem a nata profissional, não fixa um prazo para futuras mudanças, aonde um novo jogo pode desbancá-lo.