As transmissões de eventos de games competitivos vem sofrendo forte ascensão nesta década, muito pela facilidade e comodidade das novas tecnologias. Com a evolução na velocidade de transferência de dados na internet e o acesso a computadores de grande porte, o ramo é simplificado e viabiliza diferentes formas de profissionalização e entretenimento.

Os telespectadores estão se tornando cada vez mais seletivos na escolha do que assistir e o crescimento de sites com live streams é inigualável. Ninguém mais quer perder tempo esperando horários para determinadas transmissões, propagandas chatas e cortes nas programações, o que se vê hoje é um público exigente e imediatista, que valoriza o bom e principalmente, rejeita o ruim.

Neste cenário que se solidifica, são encontradas pessoas dispostas a doar o próprio tempo para realizar a cobertura de eventos de Counter-Strike. Algumas delas já consagradas no meio, caminham em passos constantes através da competência desempenhada nos últimos anos e outras ainda buscam o seu espaço e reconhecimento, mas todas direcionam o futuro dos e-sports como a mais nova mania nacional desta geração.

As dificuldades surgem neste percurso ainda pouco trilhado e os retornos ainda incertos são mais gratificantes do que se imagina. Iniciado em meados de 2013 com o Bida, as transmissões em português dos torneios se difundem e conforme o jogo cresce, mais constantes e profissionais ficam. O trabalho desempenhado passou de uma simples live no quarto de casa para uma grande transmissão em um estúdio de televisão.

É neste mundo turbulento que os mais novos narradores precisam saber trabalhar, a organização de dias e horários para determinados eventos e um público que muitas vezes não sabe expressar a própria opinião de forma construtiva. Mas o cenário precisa se manter atualizado e o trabalho momentaneamente despercebido ganha força e se estabiliza em boas atuações.

Boas atuações essas que tem se destacado e com o grande alcance da internet, atinge os diversos públicos dos mais variados torneios. O que não se nota é a dificuldade de realizar estas transmissões, o empenho efetivo da equipe que atua e todo o acompanhamento 'pré e pós' live stream para efetuar o melhor trabalho possível.

Os casters e comentaristas estudam cada partida a ser narrada, como os jogadores de destaque, as formas de atuação de cada equipe e todos os detalhes que englobam os retrospectos entre os confrontados. São informações privilegiadas, que observadas nas oportunidades propícias, tornam a transmissão atrativa e original.

Se faz necessário este preparo, sem ele as falas ficariam fora de sincronia, a harmonia entre os narradores seria arriscada ao erro, e o fracasso notório. O crescimento também depende destas pessoas, novas e novas tentativas de melhora, críticas construtivas que realmente influenciem num ganho e principalmente apoio a quem dá sem receber. Pois muitos dos que estão hoje tentando deslanchar no meio, o fazem porque gostam e não recebem por isto.

Ações respeitáveis devem ser respeitadas, opiniões diversas debatidas e o fortalecimento e profissionalização das transmissões e eventos trarão lucro para todo o cenário competitivo do jogo. A constante rotação de boas informações instigam o melhor desempenho possível dos que realmente se dedicam todos os dias para a desenvolvimento do Counter-Strike.