O mercado da Steam e principalmente o de CS:GO é extremamente volátil, são diversos itens lançados basicamente todos os meses que sofrem alteração a cada nova atualização. As dezenas de modelos de caixas chegam a assustar quem ingressa no jogo em seus dias atuais e gravar o que cada uma contém só para um fanático consumidor.

A introdução das caixas, ainda no começo do game, em 2013, impulsionou as vendas e a aceitação foi tão alta, que a Valve não conseguiu parar. Viu nelas a oportunidade de fazer um grande negócio, as fornecendo em drops durante as partidas e vendendo as chaves para a abertura das mesmas. Hoje, a variedade de skins é tão alta, que de certa forma chega a prejudicar os adeptos a simplicidade, sendo no fim das contas, irrelevantes ao essencial do jogo.

Tamanho é a quantidade e variedade de skins, que elas já se tornaram desprezíveis, com um olhar mais profundo, apenas as mais raras são objeto de desejo. Ter uma faca pouco dropada, uma AWP Dragon Lore ou o item da caixa nova é sinônimo de poder. Poder esse que só fica realmente refletido para a Steam, que gera lucro e tira vantagem em todas as transações do mercado.

A mesma Steam, que não se importa muito com o CS:GO como faz no DOTA 2, lá as premiações são tão gigantescas que é financeiramente possível parar de jogar após vencer um torneio como o The Internacional. Tudo é revertido para o funcionamento e manutenção do jogo, a desenvolvedora investe os próprios fundos e cria sistemas para melhorar a experiência de jogo baseada na opinião dos profissionais. Por aqui, as fracas atualizações deturpam o cenário e espantam jogadores casuais.

Apenas os stickers que revertem algum benefício para o pro player, lançados durante os eventos Major e vendidos pela própria Steam nos torneios de aposta, aonde 50% do valor de suas vendas vão para os jogadores. É um valor considerável, mas se levarmos em conta que apenas os privilegiados que disputam os majors tem acesso a esse retorno, a quantia fica escassa e ainda sim incomparável a premiações de outros jogos.

Hoje o mercado da Steam virou um negócio, como a bolsa de valores, compras são destinadas a ganhos futuros e vendas são feitas nos momentos exatos para extrair dinheiro do consumidor. Há casos que um jogador efetua a compra de 4 ou 5 páginas da mesma skin, se não todas, cerca de 50 unidades a mais para revendê-la mais caro, manipulando o mercado e fazendo lucro pro próprio bolso. É o que a Valve vem tentando interromper nos últimos meses com certa dificuldade, banindo sites e jogadores que se aproveitem de sua plataforma.

O posicionamento da empresa, qualificando a atividade dos sites de apostas como ilegal, desacelerou os manipuladores e apostadores, fazendo com que a maioria dos sites fechassem as portas, as skins perdessem valor e todo o processo se tornasse dificultado, a Valve mantém os olhos abertos à quem tenta adulterar qualquer transação e é mais rígida no controle de compras e trocas.

Várias opiniões são formadas com as atitudes que a Valve vem tomando, desde o suporte a jogadores, até a extinção de sites, ela acerta em determinados pontos, mas peca nos demais, a verdade é que a empresa deveria desacelerar o lançamento de novas caixas de armas, manter a extinção dos sites de apostas e sempre considerar a opinião dos profissionais antes de qualquer grande atualização.