Nessa sexta-feira (30) tem início a ESL One New York de CS:GO, com premiação de $250.000,00. O Brasil será representado novamente pela SK Gaming, no torneio que tem sua final no domingo (02).

Esse será o primeiro presencial de muitas equipes no retorno da temporada, algumas delas em uma baixa de meses. Confira tudo sobre cada um dos times que estão na disputa:

Astralis

Finn “karrigan” Andersen
Andreas “Xyp9x” Højsleth
Nicolai “dev1ce” Reedtz
Peter “dupreeh” Rasmussen
Markus "Kjaerbye" Kjærbye
alt

A equipe dinamarquesa da Astralis chega até Nova Iorque tendo que muito provar ainda. Após a mudança de René "cajunb" Borg por Markus "Kjaerbye" Kjærbye todos esperavam que a equipe mostrasse novamente o nível de topo de cenário que se via outrora, mas até agora os frutos da mudança não foram colhidos, e os europeus amargam uma constante série de derrotas para equipes de seu país, deixando muitos até já considerarem a Astralis como segunda equipe da Dinamarca, atrás da dignitas.
alt

Fato é que tanto no ranking, como nos confrontos diretos, a equipe liderada por Finn “karrigan” Andersen fica atrás dos compatriotas, ferindo um pouco sua torcida, com tamanha fase ruim que nunca se cura.

Para a ESL NY, a equipe espera recuperar um pouco do respeito que se tinha antes, para isso conta com o jovem Markus “Kjaerbye” Kjærbye, que precisando mostrar a que foi escolhido, pode enfim desencantar e ajudar sua equipe a conseguir boa colocação ao fim do torneio.

SK Gaming

Gabriel “FalleN” Toledo
Fernando “Fer” Alvarenga
Lincoln “fnx” Lau
Tacio “TACO” Filho
Marcelo “coldzera” David

A SK Gaming chega para o evento em terras norte-americanas, tendo pouco tempo de presencial nessa segunda metade do ano. Para se ter uma ideia, o último torneio que os brasileiros disputaram foi a ESL One Cologne 2016, major, conquistado pelos mesmos. Muito disso se deve a ausência de Fernando “Fer” Alvarenga, o que acabava ‘forçando’ os brasileiros a adiarem suas idas a torneios do tipo, por estarem com um substituto. Após a volta do jogador no início de setembro a equipe conseguiu se estabilizar, e ter bastante tempo de treino para a ESL NY.
alt Esse saldo positivo após a volta do quinteto integral, se deve a contínua excelente forma de Marcelo "coldzera" David, o que muito provavelmente vai leva-lo ao título de melhor jogador do mundo ao fim do ano. Coldzera, consegue dar o ritmo esperado para sua equipe, tendo papel fundamental, conseguindo então estatísticas fora do comum.

A equipe estreia na competição contra a Optic, tarefa não muito complicada, podendo então cometer alguns erros de início, devido à falta de presenciais. Mas ao fim, sabemos que nossos representantes são uma das equipes favoritas, e vem novamente para a conquista do título.

Virtus.pro

Wiktor “TaZ” Wojtas
Filip “NEO” Kubski
Jarosław “pashaBiceps” Jarząbkowski
Janusz “Snax” Pogorzelski
Paweł “byali” Bieliński

Todos os grandes fãs, e de longa data, dos poloneses, devem estar eufóricos pelo momento. Depois de uma fase trágica, cheia de baixos, rebaixamento, críticas de fãs, pedidos de mudança, enfim a Virtus.pro se encontrou novamente no seu conhecido nível. Nesse ano, já conquistaram a SL i-League Invitational #1, ELEAGUE Season 1 e a DreamHack ZOWIE Open Bucharest 2016, além do terceiro lugar na ESL One Cologne 2016. Todos esses eventos, provaram que os poloneses ainda não estão mortos, e podem muito bem surpreender qualquer equipe do mundo, prova disso é o segundo lugar no ranking mundial, que detém atualmente.

Contando com o interminável bom momento de Janusz "Snax" Pogorzelski, a equipe sempre se mostra muito forte em eventos presenciais, Filip "NEO" Kubski também está voltando a sua boa forma de sempre, mesmo que com passos lentos.
alt O maior problema dos polacos para a ESL NY é o primeiro confronto, logo contra a fnatic, uma das grandes partidas da competição. Será que a Virtus.pro consegue se sair bem nessa?

Natus Vincere

Aleksandr "s1mple" Kostyliev
Ioann “Edward” Sukhariev
Denis “seized” Kostin
Egor “flamie” Vasilyev
Ladislav “GuardiaN” Kovács

A exemplo de da Astralis, a Natus Vincere também espera por frutos de uma mudança, apesar de que essa seja muito mais recente. Após a entrada de Aleksandr "s1mple" Kostyliev par ao lugar de Danylo "Zeus" Teslenko, todos esperavam que a Na’Vi voltasse a brigar pelo topo do cenário, mas isso não aconteceu, atualmente na 10ª posição do ranking mundial, a organização ucraniana está em decadência.

alt Prova disso é o péssimo e vergonhoso desempenho durante a SL i-League StarSeries Season 2, caindo ainda na fase de grupos da competição. A situação é ainda mais complicada se analisarmos os resultados do mês de setembro, onde a equipe disputou 16 jogos, saindo com vitória em apenas 07.

O jogo inicial da Natus Vincere é contra a Team Liquid.

Liquid

Nick “Nitr0” Cannella
Jonathan “Elige” Jablonowski
Spencer “Hiko” Martin
Josh “jdm64” Marzano
Jacob "Pimp" Winneche

A estreia de Jacob "Pimp" Winneche num evento presencial com a equipe da Liquid. O dinamarquês que veio para suprir uma das grandes necessidades da equipe, até agora pôde de pouco mostrar dentro da line-up norte-americana. A Liquid é outra equipe que caiu em decadência no ranking mundial, muito por conta dos poucos eventos disputados.
alt A equipe norte-americana conseguiu 06 vitórias nos últimos 12 jogos online, contra equipes que não são tão grandes quanto as que vão se enfrentadas na ESL NY, e a estreia é logo contra a Natus Vincere.

Fnatic

Olof “olofmeister” Kajbjer
Dennis “dennis” Edman
Jonas "Lekr0" Olofsson
John "wenton" Eriksson
Simon "twist" Eliasson

A nova line-up da fnatic enfim chega para um grande evento presencial após a grande troca junto da GODSENT, três grandes jogadores da super campeã foram para a rival compatriota, causando um reboliço enorme até mesmo nos rankings. Atualmente, a fnatic está na posição de número 26 da HLTV, mas de nada importa, conseguiu fazer jogos surpreendentes na ESL Pro League, destruindo a Natus Vincere em dois mapas, além de partidas equilibradas contra Virtus.pro, Astralis e dignitas.
alt Começando a se entrosar melhor a cada jogo, a ESL NY será de boa ajuda para esse ‘conhecimento’ entre os jogadores. Num torneio tamanho, e com boas equipes na disputa, é tudo o que queremos para ser a prova de jogo dos suecos.

No último mês Dennis "dennis" Edman foi o destaque incontestável da equipe, ao lado do jovem Simon "twist" Eliasson. Vale lembrar que ainda tem Olof "olofmeister" Kajbjer que sempre costuma desequilibrar em torneios do tipo. Nos recentes 10 jogos da equipe, 06 vitórias, um bom número, se levarmos em conta o nível das outras equipes.

A fnatic abre a competição enfrentando a poderosa Virtus.pro. E convenhamos, é complicado usarmos o nome desta organização no sentido de inferioridade na partida, será que acostumamos, ou a fnatic surpreende a todos e volta a figurar no topo?

G2

Cédric “RPK” Guipouy
Richard “shox” Papillon
Edouard “SmithZz” Dubourdeaux
Adil “Scream” Benrlitom
Alexandre “bodyy” Pianaro

A equipe franco-belga da G2 chega até Nova Iorque com uma grande pulga atrás das orelhas. Na verdade, são três delas, três nomes. Durante a SL i-League StarSeries Season 2 Finals, a equipe foi fenomenal, conseguiu chegar com sobras até a final, mas caiu diante da NiP. Algo, que muita gente já enxergava, acabou acontecendo novamente, a dependência de Richard "shox" Papillon e Adil "ScreaM" Benrlitom.

É incrível, toda partida que a dupla vai bem, a G2 é quase imparável, quando um deles vai abaixo das expectativas, a equipe pena para vencer, e quando nenhum dos dois está nos melhores dias, a equipe é derrotada facilmente. Essa inconstância tem se mostrado tanto em torneios online, quanto em presenciais. alt

Por outro lado, Edouard "SmithZz" Dubourdeaux continua muito, e não usando muito em figura de linguagem, muito abaixo do que se espera de um jogador de uma equipe top de cenário. Pela enormidade de times bons na competição, é complicado um prognóstico para a G2, mas é quase impensável dizer que lutarão pelo título, a não ser que nos surpreendamos novamente, como aconteceu na ESL Pro League S3 e na ECS S1.

A G2 faz sua estreia enfrentando a Astralis, numa partida que já poderá definir o futuro da equipe na competição.

Optic

Damian “daps” Steele
Keith “NAF” Markovic
Tarik "tarik" Celik
Will “RUSH” Wierzba
Óscar “mixwell” Cañellas

Outra equipe que teve mudanças nas últimas semanas foi a Optic, a escolha por Tarik "tarik" Celik para fechar o quinteto ainda não surtiu o efeito desejado, apesar de que algumas boas partidas já se mostraram durante torneios online. Dispensando apresentações, o ex-jogador da CLG, se desencantar, pode ajudar a equipe norte-americana a surpreender, assim como já fez em torneios anteriores.
alt O principal destaque da Optic é o espanhol endiabrado Óscar "mixwell" Cañellas, que é essencial com sua AWP na rotação e definição de rounds pela equipe. Óscar sempre foi muito agressivo, e Tarik é de natureza, até agora não se provou dar muito certo ambos os jogadores usar desse trunfo, mas pode ser uma carta na manga para conquistar as vitórias.

A dupla ainda tem a companhia da boa fase de Will "RUSH" Wierzba, que desde a temporada anterior vem ajudando e muito a Optic a brigar sempre pelas primeiras posições do cenário norte-americano.

O grande problema da equipe na ESL NY é logo na estreia, enfrentando os brasileiros da SK Gaming. Será que conseguirão mostrar novamente que podem disputar eventos de grande porte e brigar por boas posições?

E aí, preparado para a ESL One New York? Lembre-se que na sexta-feira você poderá acompanhar a transmissão pelo canal esl_bida e no sábado e domingo direto dos estúdios da ESL em São Paulo, com transmissão nos canais oficiais brasileiros.

Não esqueça de seguir meu trabalho principal clicando aqui.